Cultura

FIT Rio Preto começa hoje com homenagem a Suassuna

A 17ª edição FIT – Festival Internacional de Teatro de Rio Preto estreia hoje e logo de cara terá uma homenagem dirigida ao poeta e dramaturgo Ariano Suassuna. A abertura será às 19h30, no Anfiteatro Nelson Castro, uma arena a céu aberto e às margens da Represa Municipal. A programação segue até 15 de julho.

Este ano, 23 montagens, dentre nacionais e internacionais, poderão ser vistas em 50 sessões em 14 diferentes locais da cidade e arredores. No total, as 20 companhias participantes vão reunir na cidade cerca de 117 atores e encenadores durante os dez dias de evento.

Com o objetivo de contemplar países e continentes diferentes, espetáculos de Portugal, Polônia, Colômbia e África do Sul e mais 19 produções brasileiras – para público adulto e de todas as idades.

Dos 17.366 ingressos disponíveis, mais de 60% são gratuitos. Os restantes custarão de R$3 a R$10.

ESPETÁCULOS INTERNACIONAIS

Um dos destaques é a estreia mundial do espetáculo As Criadas, obra que está em processo de criação pelo diretor polonês Radosław Rychcik, um expoente do teatro polonês contemporâneo, com um talentoso trio de atrizes brasileiras: Bete Coelho, Denise Assunção e Magali Biff. Radosław Rychcik montou a clássica peça de Jean Genet como forma de discutir os problemas sociais e humanos.

Nascido em 1981 em Ciechanów, Rychcik é um jovem diretor cuja reputação internacional alcançou grande projeção em apenas alguns anos. Originalmente estudante de literatura polonesa na Universidade de Varsóvia, Rychcik mudou de curso depois de experimentar o teatro de vanguarda polaco na faculdade. Ele continuou a estudar dirigir e trabalhou com pessoas como Krystian Lupa, um dos mais importantes diretores da Polônia. Usando estruturas não-lineares, coreografias precisas, mensagens não-verbais, gestos, sinais e figuras retóricas, ele já criou uma linguagem original reconhecível na cena teatral internacional.

Em As Criadas, Radosław Rychcik voltará a trabalhar com Michał Lis e Piotr Lis da banda The Natural Born Chillers, profissionais capazes de criar uma atmosfera específica para suas peças, executada por músicos brasileiros. Hanna Maciąg, uma jovem videoartista polonesa, também figurinista e atriz, será responsável pelo cenário e figurinos.

ESPETÁCULOS NACIONAIS

Do Brasil, companhias de São Paulo (SP), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Rio de Janeiro (RJ), Natal (RN), Curitiba (PR), Mossoró (RN) e Campo Grande (MS) mostram a diversidade da produção cênica nacional no FIT Rio Preto. Três obras da cidade formam a Cena Rio Preto:  Crise de Gente, da Cia. Hecatombe, Terra Abaixo, Rio Acima, da Cia. Cênica e O Pequeno Príncipe – O Musical, do Grupo Lígia Aydar.

Conseguir apresentar ao público as três partes do projeto Abnegação é um dos pontos altos da programação do FIT em 2017. Abnegação, Abnegação II – O Começo do Fim e Abnegação III – Restos, escritos por Alexandre Dal Farra e levados à cena pelo grupo Tablado de Arruar. É uma trilogia que dialoga com o cenário contemporâneo e levam para o palco os intrincados desdobramentos do conflito entre política e ideologia. A partir de reinvenções ficcionais de notícias do cenário político brasileiro – conhecidas pelo público – interessou ao dramaturgo os bastidores do tema. Entender o significado do PT no auge de seu governo, o significado da chegada da esquerda no poder e a adesão do partido às estruturas estabilizadas foram o estopim para a pesquisa que envolveu entender o sistema de uma forma mais ampla. Assim nasceu o primeiro espetáculo, Abnegação, que pretendia bastar-se, mas dada a profundidade da questão, Dal Farra continuou a se debruçar mais sobre o tema e criou posteriormente Abnegação II – O Começo do Fim e Abnegação III – Restos, este último estreado em 2016, quando a companhia comemorou 15 anos de estrada.

CRIANÇAS E JOVENS

As crianças e jovens também estão contemplados na programação e poderão fruir de espetáculos de três estados diferentes: De São Paulo há o Berenices, do Grupo Morpheus Teatro, da Bahia, Salvador, vem Desastro, de Neto Machado e Cia. Dimenti, do Ceará, Fortaleza, tem o Ogroleto, do Pavilhão da Magnólia e, de Rio Preto, a montagem O Pequeno Príncipe – o Musical.

ESPETÁCULOS DE RUA

Dois espetáculos de rua provenientes de São Paulo aportam em Rio Preto, no Festival: Iracema via Iracema, do Agrupamento Andar7 e Trupe Sinhá Zózima e O Canto das Mulheres do Asfalto, de Georgette Fadel e Carlos Canhameiro. O primeiro, uma tragicomédia que tem direção de Anderson Maurício, narra a história de uma mulher semianalfabeta, de origem rural, que decide viver pelo resto de sua vida dentro de um ônibus, deslocando-se pelas ruas da cidade. Com uso de vídeo mapping e pintura digital sobre o corpo, a montagem cria uma instalação cênica rica em elementos e signos visuais, sonoros, gestuais e sensoriais.

A programação completa você confere aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *